O que fazer antes de chamar um electricista 24h?

shutterstock_110397776

Há situações relacionadas com a sua instalação eléctrica em que antes de chamar de imediato um electricista 24h pode fazer uma avaliação ou até mesmo resolver o problema.

É o caso de uma falha de energia repentina que ocorra na sua casa ou apartamento ou até mesmo no seu estabelecimento comercial. O que deve fazer nesta situação antes de chamar um electricista 24h?

Para descobrir se o problema é apenas na sua residência verifique se os vizinhos têm energia. Não se baseie na iluminação pública, pois ela tem um circuito independente e poderá estar acesa.

Caso o problema ocorra também nos seus vizinhos, pode ser uma interrupção programada pela empresa fornecedora de energia, feita propositadamente para a realização de algum trabalho na rede eléctrica (embora, geralmente, neste caso haja um pré-aviso). Pode também ser algo imprevisto, resultante de algum acidente na rede de electricidade concecionária, pelo que – em princípio – será prontamente resolvido pela mesma, não havendo necessidade de chamar um electricista 24h. De qualquer forma, não assuma que esta já tem conhecimento do sucedido e entre em contacto para avisar.

Se o corte de energia tiver acontecido apenas na sua casa, existem duas situações distintas de defeito na sua instalação eléctrica que podem explicar o corte de energia repentino:

  • Pode ter ocorrido um curto-circuito
  • Pode estar perante uma situação de sobrecarga.

Em ambas as situações, os dispositivos de segurança da unidade consumidora – isto é, os disjuntores – vão fazer o seu papel de protectores das instalações eléctricas e actuar, interrompendo o fornecimento de energia.

Antes de chamar um electricista 24h pode perfeitamente identificar qual a origem desta interrupção, começando por verificar no seu quadro eléctrico se um ou mais disjuntores estão desligados. Para sua segurança, siga depois os seguintes passos:

  1. Desligue todos os disjuntores do quadro de distribuição eléctrica que tem em casa.
  2. Depois, desligue e volte a ligar o disjuntor de entrada, que está localizado na parte externa da unidade consumidora ao lado do medidor de consumo.
  3. Voltar a ligar o disjuntor geral do quadro de distribuição interna.
  4. Voltar a ligar os disjuntores dos circuitos secundários, um a um, começando pela iluminação.

Ao realizar este procedimento, se algum dos disjuntores voltar a disparar ou fazer disparar o disjuntor de entrada poderá conseguir identificar a causa do corte de energia antes de chamar um electricista 24h.

 

CURTO-CIRCUITO:

Desligue todos os aparelhos ligados ao circuito correspondente ao disjuntor que desliga. No caso de ter havido algum curto-circuito ou defeito na sua instalação eléctrica ele irá manifestar-se quando voltar a ligar esse disjuntor responsável pela interrupção de energia e na origem da avaria, disparando de novo ou fazendo disparar o disjuntor de entrada. Assim, neste caso, deverá deixá-lo desligado e ligar todos os outros disjuntores.

Tendo identificado qual o problema que originou o “apagão”, agora sim, poderá chamar um electricista 24h para resolver o problema.

 

SOBRECARGA:

Se ao ligar os disjuntores um a um não acontecer nada, é porque ocorreu uma sobrecarga. Esta pode ter acontecido por uma quebra de tensão da responsabilidade da comercializadora de energia com a qual tem um contrato ou então poderá ter de considerar o aumento de potência, já que deverá estar a utilizar uma carga maior do que a que a sua instalação eléctrica suporta.

Pode também ser um problema de algum aparelho eléctrico que esteja avariado e provoque o disparo do disjuntor correspondente.

Para esclarecer a situação, faça o seguinte teste: ligue os aparelhos que tinha ligado um de cada vez. Se, ao ligar um dos aparelhos, o disjuntor disparar, já identificou o aparelho que originou uma avaria ou provocou uma sobrecarga eléctrica.

Depois, mantenha todos os aparelhos desligados e volte a ligar o disjuntor responsável pelo corte de energia e o disjuntor geral. Ligue o aparelho que o fez ficar às escuras. Se o disjuntor disparar novamente, quer dizer que o problema está no aparelho, que está avariado. Se o disjuntor não disparar, então trata-se nitidamente de uma sobrecarga eléctrica.

Assim, enquanto não resolve a situação, deverá aliviar a carga desligando alguns aparelhos eléctricos e chamar um electricista 24h para avaliar a situação.


Peça uma previsão de cargas a um electricista do Areeiro

shutterstock_357589688

Se mora no Areeiro e está a pensar em fazer uma obra ou remodelação, é importante procurar os serviços de um electricista do Areeiro para que lhe possa fazer uma previsão de cargas, quer relativamente à quantidade de tomadas de uso geral que deve ter em casa, quer no que diz respeito aos pontos fixos no tecto para iluminação. Já tinha pensado nesta importante decisão relativa à instalação eléctrica?

O primeiro passo que o electricista do Areeiro deve dar é a determinação de uma previsão de cargas da sua casa, isto é, fazer uma estimativa de todos os equipamentos eléctricos que irá ligar à instalação eléctrica quando esta estiver operacional.

Nesta projecção, o electricista do Areeiro terá de ter obviamente em conta de que, inicialmente, a quantidade de equipamentos será mais diminuta e que provavelmente irá sofrer alterações com a passagem do tempo, à medida que crescer a necessidade de adquirir novos equipamentos.

Assim, o electricista do Areeiro terá de fazer um inventário com os equipamentos e possíveis ampliações devidamente listadas para compor o projecto eléctrico e assim decidir quantas tomadas deve ter a casa de acordo com o que irá ser instalado, deixando uma boa margem para futura ampliação. Desta forma estará a evitar o uso de extensões, que consomem mais energia e podem comprometer a segurança da instalação eléctrica.

 

Tomadas

Antes de mais, convém esclarecer que as tomadas de uso geral são aquelas que são utilizadas para a alimentação de aparelhos móveis ou portáteis comuns, como televisores, aspiradores de pó, candeeiros, etc.

De fora desta previsão ficam aquelas tomadas que não são destinadas a equipamentos específicos, tais como chuveiros ou torneiras eléctricas.

Numa residência há uma quantidade mínima deste tipo de tomadas, que devem ser instaladas de acordo com a área das divisões e com os equipamentos que aí poderão vir a ser ligados, devendo seguir os seguintes critérios:

  • Prever 1 tomada por cada divisão de área igual ou inferior a 6m
  • Prever 1 tomada para cada 5m de perímetro divisões de área superior a 6m², excepto nas casas de banho. Com efeito, para alguns ambientes, como a cozinha e a casa-de-banho, há regras mais específicas e as tomadas devem ser posicionadas em locais pré-determinados.
  • Prever 1 tomada para cada 3,5m de perímetro de cozinhas ou copa, sendo que acima de cada bancada de 30cm, ou maior, também se deve colocar uma.
  • Prever 1 tomada em subsolos, sótãos, garagens e varandas
  • Prever 1 tomada junto ao lavatório, nas casas-de-banho.

Iluminação

  • O electricista do Areeiro deve prever pelo menos um ponto fixo no tecto comandado por um interruptor em cada divisão da casa.
  • No caso de espaços de dimensões reduzidas e/ou em locais de difícil acesso – nomeadamente em arrecadações, dispensas, varandas, casas-de-banho, etc. – o electricista do Areeiro poderá substituir o ponto do tecto por um ponto na parede.

Agora já tem algumas noções relativas à sua instalação eléctrica que poderão determinar quantas tomadas deverá instalar na sua casa, bem como pontos de iluminação. Mas já sabe que só a opinião de um profissional poderá chegar a resultados precisos que colmatem as suas necessidades de consumo de energia eléctrica.

 


Como escolher um bom electricista

shutterstock_283974365

Quando necessitamos de fazer obras em casa é importante estar rodeado de bons profissionais. A electricidade em particular é uma necessidade essencial em cada casa e um factor muito importante para o conforto do lar. Por isso, escolher um bom electricista é fundamental, não só por uma questão de funcionalidade – pois uma instalação adequada garante a eficiência de todos os aparelhos eléctricos – como também de segurança.

Escolher um bom electricista pode não ser tarefa fácil, mas algumas orientações podem facilitar o trabalho.

1. Verifique qualificações e referências do electricista

Procure referências de trabalhos realizados anteriormente, nomeadamente comentários de outros clientes, quer seja através de amigos ou vizinhos, colegas de trabalho e até mesmo através de comentários online. Os clientes que não estão satisfeitos como o serviço do electricista provavelmente irão postar online os seus comentários.

E atenção: a empresa e a reputação da empresa a que ele pertence, apesar de ser de extrema importância, não deve ser suficiente para julgar o seu serviço. Assim, se tiver um bom feedback de outras pessoas que o contrataram, mais facilmente pode avançar para a adjudicação do trabalho. Caso receba referências negativas, não arrisque.

Entretanto, deve também perguntar ao electricista qual a sua formação, quantos anos tem de serviço e qual a sua situação profissional actual. Não hesite em fazer todas estas perguntas, porque um electricista não deve hesitar em apresentar a sua credibilidade.

2. Avalie a experiência do electricista

É importante conhecer a fundo a experiência do electricista que pretende contratar para que possa lidar com quaisquer problemas eléctricos.

Como qualquer outra profissão, os electricistas não são todos iguais e uns têm determinadas qualificações, outros experiência em diferentes áreas de trabalho, etc.

Geralmente, as pessoas preferem contratar um electricista com pelo menos três anos de experiência no ramo, por uma questão de segurança. De qualquer forma, tal não quer dizer que se contratar alguém com menos experiência não poderá ficar satisfeito com o seu trabalho. Analise bem todos os orçamentos propostos.

3. Tenha em conta o projecto

Para escolher um bom electricista é importante ter em mente quais os seus objectivos e conhecer o projecto de obras: o trabalho inclui sistemas especializados, tais como alarmes de incêndios, segurança, som, vídeo, entre outros?

Avalie tudo muito bem antes de começar a procurar um electricista, que terá de ser tecnicamente competente, respeitável e com conhecimentos profundos na área.

4.Clarifique todas as questões contratuais

Reúna as informações suficientes antes de contratar o profissional. Discuta com ele todas as suas necessidades e peça-lhe um orçamento para saber de antemão o custo total do serviço. Alerte-o para incluir também taxas de deslocação, de telefonemas, entre outros extras. Um electricista experiente é capaz de dar uma estimativa precisa e detalhada dos custos do projecto.

Peça-lhe também um descritivo do que inclui o serviço contratado, bem como o material a ser utilizado, os valores relativos à mão-de-obra, determinação e cumprimento de prazos.

Por fim, exija um seguro para se salvaguardar de qualquer acidente.

5. Verifique a licença

Quando escolher um electricista tenha o cuidado de verificar se ele possui licença, que lhe dará a garantia de que o mesmo tem feito os cursos necessários para trabalhar em segurança e da melhor forma. Verifique se é actual e veja se abrange o tipo de trabalho que pretende.

Ficou esclarecido?

Então, não tem mais porque esperar. Avance com o seu projecto!


Como escolher a cor certa para os seus interiores

shutterstock_376843915

A decoração de uma casa passa por muitas fases (planeamento, medição, escolha de cores, materiais, etc.). Uma das mais importantes é a fase de escolher as cores certas para a pintura de interiores. Pode definir sozinho/a as cores que pretende utilizar ou pode pedir a ajuda de decoradores de interiores, para que possam guiá-lo/a nas cores que mais fazem sentido no seu plano de decoração.

Quando chegar a altura de pintar a casa ou pensar na pintura da vivenda lembre-se que actualmente, as tendências privilegiam a calma sobre a ousadia e o vintage.

Leia, em baixo, sobre as tendências atuais de pintura de vivendas e decida como deve pintar a casa, de acordo com seus benefícios.

Utilizar as Cores Para Transmitir Calor e Brilho numa decoração

shutterstock_416303956

Há algumas décadas, a cores primárias e os pastéis dominaram muitas das paletes de casas em todo o país e eram a escolha preferencial de decoradores de interiores. Nos últimos anos, vimos os verdes, castanhos e laranjas surgirem de forma repetida, quando as pessoas decidiam pintar a casa. Agora, alguns especialistas em decoração doméstica indicam que as cores primárias estão novamente na moda.

Amarelo. Tradicionalmente uma cor de realce, cada vez mais proprietários estão a utilizar o amarelo para a pintura de interiores. Combinando o amarelo com pinturas de fundo como cinzento e o branco, é possível produzir diversos visuais, dependendo da decoração e do mobiliário, desde o campestre até ao contemporâneo.

O amarelo também é agradável aos nossos olhos, criando calor e brilho, sentimentos que são bons para a nossa vida quotidiana, mas também para promover a sua casa, daí que muitas pessoas decidam utilizar essa cor na pintura de vivendas.

Ser Ecológico Utilizando Cinzentos e Dourados na Pintura de Interiores

shutterstock_185270273 (1)

 

Conservar o ambiente não significa usar sempre a cor verde; muitas opções de pinturas interiores focam-se em cores simples e “cruas”, como cinzentos, dourados leves, bronzes e castanhos. Estas são excelentes cores de fundo para a decoração e mobiliário.

Tornar a aparência de uma casa natural e até vintage, é um dos objetivos destas tendências de pintura, segundo os decoradores de interiores. Verdes mais leves são, no entanto, uma escolha popular para projetos de pintura exterior. Os verdes “abacate” ou “salvia” estão entre os mais procurados para pintura de vivendas. Estas são cores leves e frescas, que respondem bem contra os elementos e tornam uma casa mais contemporânea do que clássica.

Manter as Coisas Naturais Fora de Casa

As tendências da pintura exterior para casas residenciais estão a seguir alguns destes mesmos padrões. Os neutros estão entre as opções mais populares por serem agradáveis para os olhos, devido à flexibilidade de estilos e devido às suas caraterísticas positivas de desgaste. O sol, chuva e o vento não desvanecem tanto as tintas naturais, como o fazem com as cores primárias. Também são mais fáceis de retocar do que as cores mais escuras, o que é algo a ter em conta quando se equaciona elaborar um plano de decoração.

Embora o branco não tenha regressado de forma firme na pintura exterior, os derivados de branco e os cremes são muito populares, assim como o amarelo.

Pense nestas tendências de cores em decoração para seleccionar as que vai aplicar quando pintar a sua casa e, se se sentir inseguro/a na sua escolha, opte por contratar decoradores de interiores profissionais neste projecto.